7 Erros comuns para você não cometer na hora de investir

Tempo de leitura: 6 minutos

Se você vai começar a investir, é importante entender que alguns erros também fazem parte dessa caminhada

Introdução

Aprender como investir da maneira correta envolve sim alguns erros. Qual investidor que nunca errou em algum momento? Isso faz parte do processo de amadurecimento, à medida que buscamos novos conhecimentos a respeito do mercado de investimentos. O bom investidor é aquele que mais acerta do que erra, e colhe resultados desse processo. Claro que o ideal é errar mais no início dessa jornada, pois com o passar do tempo você ficará mais experiente.

Antes de começarmos um projeto novo ou fazer qualquer mudança em nossa vida, seja qual área for, precisamos saber qual é o nosso estado atual. Com as finanças não é diferente. Quando eu quero ficar mais rico eu preciso não só saber quanto eu ganho, mas também quanto gasto.

Você não precisa ganhar muito para ser rico. Antes de mais nada precisa da mentalidade do rico. Como assim? Muitos acreditam que riqueza está vinculado a ter muitos bens como carro, casa, terrenos, viajar todo final de semana, mas a realidade é outra. A mente do rico nos diz e comprova isso.

Aqui nesse artigo, quero compartilhar com você, erros que você deve evitar ao começar a investir o seu dinheiro.

Como investir dinheiro: 7 erros que você deve evitar

1 – Focar apenas na rentabilidade

Esse com certeza não pode ser o único parâmetro. Se você está começando agora, deixe a ansiedade de lado e busque entender outros fatores como a liquidez e o risco. É preciso avaliar o cenário global de cada investimento. Se o seu foco é meta de curto prazo, você precisa prestar atenção na liquidez.

Normalmente, investimentos com maior potencial de rentabilidade exigem períodos mais longos de aplicação, ou riscos mais elevados.

2 – Buscar conselhos de diferentes pessoas

Conhece alguém que tem curiosidade ou vontade de investir e foi pedir conselhos para o tio, irmão ou outro parente? Pois é, você precisa buscar orientação com quem já tem experiência, que sabe o lado bom e ruim de um investimento. Sabe o que funciona e o que não funciona.

Mesma coisa ao buscar conteúdos na internet. Existem conteúdos excelentes sim, mas também tem conteúdos ruins que ao invés de ajudar irá atrapalhar e te deixar mais confuso.

3 – Desfazer de ações precipitadamente

O susto e o medo ao ver o patrimônio caindo leva muitos investidores, especialmente os iniciantes, a tomarem atitudes sem pensar, através do impulso. É importante buscar entender os motivos dessa queda: se é um investimento que tem como proposta uma volatilidade mais alta, se é algo fora da normalidade histórica, se é um produto com alta capacidade de recuperação… enfim, são vários os fatores que são necessários antes de tomar uma decisão.

Normalmente quando nos desfazemos de aplicações em momentos de baixa, perdemos ainda mais dinheiro.

Por isso é tão importante entender como é o seu perfil de investidor. É um perfil agressivo, arrojado? E assim escolher bem os produtos.

E lembre-se sempre: não deixe todos os seus ovos numa cesta só, tá ok?

Entenda a diferença entre Renda Fixa e Renda Variável.

4 – Não buscar conhecimento

A grande mágica do crescimento do patrimônio vem dos juros compostos. Se você não investe o seu dinheiro, você não conseguirá vê-lo multiplicar. E isso é mais simples que você imagina. O problema é que as pessoas não sabem onde querem chegar e assim não conseguem ter a mínima ideia se estão longe ou perto do seu destino.

Quero levantar aqui uma questão muito importante: você já calculou quanto tempo você passa no Facebook ou Instagram? Seriamente, as redes sociais tem roubado um tempo enorme das pessoas. E esse tempo poderia estar sendo usado de uma forma muito mais produtiva: buscando conhecimento para você enriquecer!

Vamos combinar algo? A partir de hoje, comece a calcular quanto tempo você passa nas redes sociais e grupos de Whatsapp. Tempo que poderia ser muito melhor empregado.

Como já citei em outros posts: conhecimento sempre será o seu maior ativo. E ter uma melhor remuneração exige conhecimento.

5 – Não ter uma reserva de emergência

Você já parou para pensar que se hoje você ficar desempregado, por quanto tempo você conseguiria pagar as suas contas?

E se o seu carro quebrar e você precisa dele para trabalhar e fazer renda? Alguém da família ficou doente e precisa arcar com custos hospitalares, médicos e remédios e de onde virá esse dinheiro? Quebrou o cano da casa e precisa ser feita uma reforma… enfim, ficaríamos horas aqui levantando os sustos que a vida nos prega.

Por isso é tão importante ter uma reserva de emergência. Isso fará com que você tenha mais paz e consiga pensar de forma mais racional quanto aos seus investimentos.

Tenha sempre uma reserva de emergência! Isso fará um bem enorme a sua saúde financeira!

Ah, não deixe na conta corrente ou poupança né? Uma sugestão é o Tesouro Selic já que tem alta liquidez.

6 – Não considerar os riscos

Hummm, como isso ocorre? Bom, como sabemos, quem corre mais riscos, pode correr o risco de ser mais rentabilizado também.

Como já dissemos aqui, a bolsa de valores é uma modalidade mais arriscada que qualquer aplicação em renda fixa. Ela pode premiar quem se arrisca, mas também pode “punir” com a perda de recursos. É preciso estar ciente dessa volatilidade.

Por isso, avaliar seu perfil e as características de cada modalidade são passos essenciais para um planejamento financeiro que vise resultados satisfatórios.

7 – Não diversificar os investimentos

Uma vez com objetivos e metas definidos, a diversificação dos investimentos é sempre a primeira recomendação e a melhor alternativa para aliar segurança e rentabilidade à uma carteira. Lembre: nunca deposite seus ovos numa cesta só.

Ao aplicar o seu dinheiro em diferentes modalidades financeiras é possível construir rentabilidades e prazos que se adaptem às metas pessoais no curto, médio e longo prazos.

Um carteira diversificada permite proteção em caso de mudanças e volatilidades características do mercado, especialmente o brasileiro. Não se esqueça!

Conclusão

O caminho do investidor está mais para um caminho cheio de curvas do que para um em linha reta. Essas curvas são os pequenos erros que cometemos. É preciso estar atento para minimizá-los.

Comprar um imóvel ou morar de aluguel? Confira!

Anúncios