Como escolher um CDB para investir – guia completo e prático

Tempo de leitura: 6 minutos

Que o CDB é um dos investimentos mais populares você já deve saber. Agora, você sabe realmente como investir nele? Confira!

INTRODUÇÃO

Se você está lendo este artigo significa que você já está muitos passos a frente da grande maioria da população. Pode ser até que você ainda não esteja totalmente preparado ou seguro para investir, porém a procura pelo conhecimento é um dos primeiros pontos a se preocupar antes de investir em “A” ou “B”.

O Certificado de Depósito Bancário, mais conhecido como CDB, é um dos investimentos mais populares que existem no mercado financeiro brasileiro. Pelo fato de ser um investimento de Renda Fixa, ele possui a facilidade de comparação de risco e rentabilidade, pois sabemos, antes de investir, qual será o provável valor na data de resgate.

Todo investidor iniciante costuma perguntar duas coisas sobre um investimento: se ele é rentável e se ele é seguro.

Adicione aí mais uma pergunta que você deve fazer: este investimento tem liquidez?

A liquidez é outro fator importante e pouco levado em consideração por principiantes. Veja abaixo a definição destes três importantíssimos fatores para o mundo dos investimentos:

 

  • RENTABILIDADE:

    É o retorno proporcionado pelo dinheiro investido. Geralmente expressa em porcentagem, seja anual, semestral, mensal, diária, etc.: 15% a.a. (ao ano), 1% a.m. (ao mês), etc.

 

  • RISCO:

    pode ser definido como a possibilidade, alta ou baixa, de determinado investimento não obter o rendimento esperado. O risco pode ser calculado ou não. Se você investir no Tesouro Direto, por exemplo, seu risco será consideravelmente menor do que se você investir em Ações. Quanto menor o risco, muito provavelmente, menor será o rendimento.

 

  • LIQUIDEZ:

    tem seu conceito ligado a facilidade com que um ativo se transforma em dinheiro. Podemos dizer que a liquidez de um imóvel é baixa, pois não é de um dia para o outro que conseguimos vendê-lo. Já a liquidez de um título do Tesouro Direto é alta, pois sempre que vendemos nosso título de volta para o Tesouro, ele o recompra. Normalmente quanto maior a liquidez, menor será o rendimento.

 

Infelizmente não é possível alinhar rentabilidade, risco e liquidez. Bons investimentos apresentam dois destes fatores positivamente e, investimentos ruins, costumam apresentar apenas um fator positivo.

CONDIÇÕES INICIAIS PARA INVESTIR

Para investir em um CDB é primordial conhecimento e atitude. Não tem como escapar, você precisa sair da inércia. Assim, perceberá como é simples.

“Você só precisa de um pouco de atitude para começar a Investir”

Veja abaixo as condições para que seja possível você investir em um CDB:

  • Abrir conta em corretora

Para abrir sua conta basta entrar no site da corretora escolhida e fazer o seu cadastro. É tudo feito online. Depois de poucos dias de iniciado o processo sua conta estará ativa para investir. Não é necessário pagar nenhuma taxa de manutenção, logo você pode abrir conta em quantas corretoras quiser. Pode ser que esse processo dure até uma semana, não desanime!

  • Possuir o capital necessário para investir

Quem emite o CDB é um banco e não existe um valor máximo para investir. Cada banco estipula somente o valor mínimo. Isto costuma variar devido a rentabilidade oferecida. Quanto maior o valor mínimo necessário para investir no CDB, maior tende a ser a rentabilidade, mas lembre-se de ter um objetivo com o dinheiro investido.

  • Saber quais são as taxas e custos de investir

Uma das grandes dúvidas na hora de investir. Saiba que existem três possíveis custos em um CDB e nenhum deles fará com que com você deixe de ganhar seus rendimentos. Nenhum deles fará você perder dinheiro. Veja o porquê.

Taxa de manutenção: é cobrada por poucas corretoras e o valor costuma ser a porcentagem em cima do rendimento.

Imposto sobre Operações Financeiras (IOF): cobrado somente quando o CDB for resgatado antes de 30 dias. A alíquota devida é incidida sobre o rendimento e determinada pela tabela regressiva abaixo. Veja!

Dias aplicado

Porcentagem do Rendimento (%) Dias aplicado Porcentagem do Rendimento (%) Dias aplicado Porcentagem do Rendimento (%)

1

96 11 63 21 30

2

93 12 60 22 26
3 90 13 56 23

23

4 86 14 53 24

20

5

83 15 50 25 16
6 80 16 46 26

13

7

76 17 43 27 10
8 73 18 40 28

6

9 70 19 36 29

3

10 66 20 33 30

0

Imposto de Renda (IR): é o valor descontado sobre as aplicações financeiras realizadas por pessoa física ou jurídica. A alíquota devida é incidida sobre o rendimento e determinada pela tabela regressiva abaixo. Veja!

Período Aplicado Alíquota
Até 180 dias 22,50 %
De 181 a 360 dias 20,00 %
De 361 a 720 dias 17,50 %
Acima de 720 dias 15,00 %

É SEGURO? QUAIS SÃO OS RISCOS?

 O único risco envolvido é, de fato, o banco no qual você investiu vir a falência, porém nenhum banco quebra do dia para a noite. E, ainda assim, existem medidas para te proteger.

Talvez você ainda não tenha ouvido falar, mas existe um mecanismo que blinda o investidor. Esse mecanismo na verdade é uma organização sem fins lucrativos chamada FGC ou Fundo Garantidor de Crédito, no qual assegura o investidor em casos como liquidação extrajudicial de instituições financeiras e reconhecimento, pelo Banco Central do Brasil, de insolvência da instituição associada.

De forma resumida podemos dizer que, caso seus investimentos estejam em instituições associadas ao FGC e estas venham a falência, você terá seus investimentos de volta acrescidos do lucro até a data de decretação da falência. O valor de garantia é de R$ 250.000 por pessoa e, recentemente, estabeleceu -se que as coberturas para cada investidor ficam limitadas a R$ 1 milhão a cada período de quatro anos, no conjunto de instituições associadas.

“FGC: O que é e como funciona”

Existe, também, uma ferramenta para analisar os bancos através de dados e relatórios como notas dadas por agências (S&P, Fitch e Moody’s) aos bancos e lucros ou prejuízos trimestrais.

Entre em www.bancodata.com.br e busque a instituição financeira antes de investir!

QUANTO CONSIGO DE RENTABILIDADE?

Aqui está um dos pontos mais variáveis e que irá separar quem sabe investir de quem não sabe, porém, no começo, é bem provável que você invista em um CDB com pouco risco, o que fará com que a rentabilidade não seja tão boa, mas isso é natural. Aos poucos você entenderá que o risco faz parte e que não é comum as instituições falirem do dia para a noite.

A rentabilidade de um CDB costuma ser relacionada a uma porcentagem do Certificado de Depósito Interbancário (CDI). O CDI é uma taxa média dos empréstimos entre bancos de um dia. Ele costuma acompanhar de perto a variação da taxa Selic (taxa básica de juros do país). Uma taxa boa para um CDB gira em torno de 100% do CDI para mais.

Existem CDB’s que tem como índice o IPCA (principal indicador da inflação), o IGP-M e outros, porém para investir assim é necessária uma boa análise do mercado.

CONCLUINDO

O CDB junto com o Tesouro Direto é a porta de entrada para os investidores. Não é difícil investir e não é arriscado. Quanto antes você conhecer as condições citadas aqui neste artigo, melhor. Você sairá da inércia do mundo financeiro e irá começar a sua jornada financeira rumo a melhores e mais arriscados investimentos.

Confira também “Tesouro Direto, Poupança ou CDB: onde é mais seguro investir?”.

Caso ainda tenha restado dúvidas, volte ao início deste texto, leia com mais atenção e pesquise sobre tudo aqui citado.

 

Anúncios