Como investir no Tesouro Direto em 4 passos simples

Tempo de leitura: 4 minutos

Passo a passo simples para você investir, de uma vez por todas, em um dos melhores investimentos do mercado

Introdução

O Tesouro Direto foi criado em 2002 em uma ação conjunta do Tesouro Nacional e da BM&FBOVESPA (Bolsa de Valores) e é um investimento de Renda Fixa, ou seja, ele possui remuneração paga em intervalos e condições preestabelecidas.

Esse tipo de investimento pode ser entendido como um empréstimo onde o investidor concede dinheiro a uma entidade em troca do pagamento de juros. Neste caso, a entidade para a qual você empresta o seu dinheiro é o governo.

A sua pergunta agora deve ser: “Ué, mas o governo é bonzinho, é isso?”

A resposta é que não é bem assim.

O Tesouro Direto foi uma grande iniciativa e é uma excelente forma de investimento apesar de parecer um pouco complexo.

Veja abaixo um extrato retirado do curso do próprio site do Tesouro explicando resumidamente o porquê da “bondade” do governo:

Se o governo gasta mais do que arrecada, ele forma uma dívida (pública) ao tomar emprestado da sociedade. Ele faz isso vendendo títulos públicos e devolvendo aos que lhe emprestam o mesmo montante acrescido de juros numa data futura

Ou seja, temos um modelo ganha-ganha, onde ao emprestar o seu dinheiro para o governo você recebe juros por isso em uma data futura e o governo paga em partes a sua dívida com o dinheiro que você emprestou.

Se você ainda tem muitas dúvidas sobre o Tesouro Direto sugiro, antes de continuar este artigo, a leitura de “Aprenda, de uma vez por todas, a investir no Tesouro Direto”.

A ideia aqui é ser um passo a passo simples e prático.

Para investir no Tesouro você poderá seguir 4 simples passos. Porém, apesar de simples, os passos requerem um certo tempo para, por exemplo, esperar a abertura de sua conta ou escolher um título ideal (ou próximo disso).

Veja agora os 4 passos para você investir no Tesouro Direto:

PASSO 1: Abrir conta em uma instituição financeira (bancos ou corretoras)

Abra conta em uma ou mais instituições financeiras. Você não paga nada para manter essa conta aberta. Pesquise rapidamente por corretoras ou bancos.

Solicite seu cadastro diretamente no site da instituição. Poderá durar até uma semana para que seus dados sejam analisados, mas isso vai variar de corretora para corretora.

Sugestões: EasynvestXP Investimentos; e Banco Inter.

PASSO 2: Escolher uma dessas instituições que você tenha conta aberta para fazer a intermediação

Quando você investir no Tesouro Direto através da sua corretora, ela mesma se encarregará de fazer o seu cadastro no site do Tesouro, o que lhe gerará uma senha para que possa acessar sua conta diretamente pelo site. Lá você acompanhará seus títulos e poderá até investir diretamente.

Fica a seu critério utilizar o próprio site do Tesouro ou a instituição que escolheu para intermediar.

PASSO 3: Escolher o título que quer investir de acordo com o seu perfil e objetivos

Pode ser que você busque somente segurança, nesse caso o título mais conservador é o Tesouro Selic.

Pode ser que você busque superar a Inflação, os títulos atrelados ao IPCA são mais recomendados.

Pode ser que você queira receber juros semestralmente, os títulos de cupons semestrais são mais indicados e pode ser também que você acredite que a Selic irá baixar e, desse modo, resolve investir em um dos títulos pré-fixados, pois você fixará uma taxa alta enquanto a Selic diminui.

Não sabe definir um objetivo para investir? Tesouro Selic, por ser o mais conservador, deverá ser a sua escolha. Dessa forma você começará a se familiarizar com essa forma de investimento.

PASSO 4: Invista

Isso mesmo! Ponha a “mão na massa”, saia da zona de conforto e INVISTA! Mesmo que não acredite estar preparado para isso. Se esperar condições ideias para investir, talvez você nunca saia do lugar.

Não tem porque seguir ou destrinchar mais passos do que os aqui mencionados. Siga um passo de cada vez com paciência e logo você estará investindo em um dos mais seguros e rentáveis investimentos do mercado.

Caso queira, existe também um passo a passo no site do Tesouro, porém um pouco menos resumido. Veja aqui.

Para verificar quais os títulos disponíveis, bem como o valor e os juros pagos por cada um, acesse aqui.

A maioria das corretoras não cobram mais taxa de administração para o Tesouro. A única taxa cobrada e que é obrigatória, é a da BM&FBOVESPA no valor de 0,30% a.a. sobre o valor do título. Isso sem contar o Imposto de Renda (IR) e o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF).

Como falado anteriormente, o título mais conservador e mais indicado ao investidor iniciante é o Tesouro Selic, pois acompanha a Selic, base dos investimentos em Renda Fixa.

Agora coloque em prática seu conhecimento e bons investimentos!