Porque a desigualdade financeira só aumenta e o que fazer para mudar isso

Tempo de leitura: 5 minutos

Está cada vez mais difícil ficar na classe média. Você irá querer ficar na metade mais rica ou na metade mais pobre?

Introdução

Não sei se você consegue perceber, mas conforme o tempo passa, maior fica a desigualdade entre os mais ricos e os mais pobres. Consequentemente a classe média, a metade do caminho entre pobres e ricos, diminui cada vez mais.

Pare para reparar em filmes futuristas como a tecnologia e os grandes detentores de dinheiro contrastam bastante com os mais pobres e miseráveis do filme. É uma tendência até certo ponto natural.

Veja este trecho retirado do livro “Pai Rico Pai Pobre”, de Robert Kiyosaki:

Logo, logo a disparidade entre ricos e pobres será tão grande que surgirá o caos e outra civilização entrará em colapso. As grandes civilizações entraram em colapso porque a distância entre os que têm e os que não têm era grande demais.

Princípio de Pareto

Vilfredo Pareto, criador da Lei de Pareto ou Princípio de Pareto, que diz básica e resumidamente que 80% do resultado advém de 20% do que se faz, já havia reparo isso há muito tempo atrás. Ele percebeu que havia uma distribuição desequilibrada do dinheiro, sempre grande e previsível. Ao que parece o dinheiro não gosta de ser igualmente distribuído. Não que a proporção seja 80/20, mas gira em torno de algo próximo e a tendência, com o tempo, é de piora.

O que fazer para mudar isso?

Enriquecer ganhando na loteria é tão imprevisível que nem deveria ser cogitado, então nem pense nessa hipótese. Fórmulas milagrosas de riqueza também não existem.

Os 3 modos mais práticos que conheço para criar riqueza são:

  • Escolher um nicho bem pequeno para trabalhar e ser o especialista nele;
  • Construir patrimônio no longo prazo e manter o foco nesse objetivo;
  • Aprender a correr riscos controlados nas mais variadas situações, pois ficar na “zona de conforto” não leva ninguém a lugar nenhum.

Baixe gratuitamente as melhores Planilhas Financeiras.

Um fato que aumenta a desigualdade é que, com a quantidade de informações que recebemos, cada vez mais tendemos a procurar aquela mágica oportunidade que nos deixará ricos e acabamos por esquecer que um caminho mais curto, por exemplo, pode ser escolher um nicho bem pequeno e ser especialista nele. Afinal, se você for o único em determinado setor, você será sempre “o cara”, a pessoa que todos irão lembrar quando falarem sobre o assunto no qual você é especialista. Lá a concorrência é muito menor. Consequentemente é possível cobrar um preço muito mais caro. E aí enriquecer será questão de tempo. Esse é um modo prático de sair da parte pobre da desigualdade rumo a parte mais rica.

Você pode também começar a investir cedo e de modo moderado visando construir patrimônio no longo prazo. A medida que adquirir confiança vá aumentando o nível de risco da sua carteira aos poucos. Porém, caso essa já não seja a sua situação, deve optar por novas formas de renda ou até aumentar o risco de forma controlada.

Por incrível que pareça, determinadas estratégias de investimento são, sem dúvidas, muito melhores do que outras para criar riqueza. E não é muito difícil perceber isso.

Veja agora 7 dicas para melhorar a sua estratégia de investimentos:

  • Tenha um objetivo em mente
  • Pense no longo prazo
  • Poupe constantemente e, se possível, de forma gradativa
  • Invista de modo sistemático
  • Revise de tempos em tempos a sua estratégia
  • Não coloque todos os ovos na mesma cesta, porém diversificar demais não é bom, tenha equilíbrio
  • Quer correr riscos para aumentar os ganhos? Que eles sejam controlados

Quer ver um exemplo sobre riscos para você entender melhor como funciona?

Vou citar aqui dois tipos de risco, o ex ante e o ex post. Vamos fazer uma análise simples.

Imagine que alguém dê a você a tarefa de atravessar uma rua super movimentada de olhos vendados. Concorda comigo que existe aí um risco enorme, o risco de ser atropelado? Pois bem esse é o risco ex ante. Você considera arriscado antes mesmo de atravessar a rua.

Agora digamos que você aceite o desafio e atravesse a rua e, incrivelmente, chegue ao outro lado da calçada sem nenhum arranhão. A partir desse momento você começa a dizer que a tarefa era simples e que não havia tantos riscos como imaginado. Esse é o risco ex post. A tarefa não é e nem nunca será pouco arriscada, porém o fato de sair ileso faz com que você subestime os riscos. Sua chance de ser atropelado só aumenta se você continuar a ignorar os riscos.

A mesma coisa acontece nos investimentos. Devemos analisar bem os riscos. Não é porque determinado fundo de investimento está indo bem que devemos ignorar os riscos e acreditar que ele continuará rendendo bem sempre. O risco está ali. Aprenda a correr riscos controlados, sobretudo se você se considera um investidor conservador.

Tem medo de arriscar e errar, invista sempre em qualificação e conhecimento.

Baixe Ebooks gratuitos.

Se você gostou deste artigo, muito provavelmente irá gostar também de “3 Coisas que eu gostaria de saber quando quis começar a Investir”.

Anúncios