O que torna a Reserva de Emergência tão importante na sua vida financeira

Tempo de leitura: 3 minutos

É melhor prevenir do que remediar, mas quando não puder prevenir conte com a sua Reserva de Emergência

Introdução

A Reserva de Emergência nada mais é do que o que o próprio nome diz, uma reserva financeira de emergência para emergências de fato. Uma doença que acarrete gastos com hospital, uma perda de emprego, uma dívida não esperada, entre outras situações parecidas a essas, todas constituem casos onde é mais do que necessário ter uma reserva financeira.

Uma das frases que mais gosto é:

O custo do cuidado é menor que o custo do reparo

Não tem frase que se encaixe tão perfeitamente com o conceito de Reserva de Emergência quanto essa. Cuidar de algo que tem valor para nós mesmos é essencial e acredito fielmente que isso deva ser um hábito. Porém, nem sempre será possível ter tanto cuidado. Cuide, não deu, muita calma, você ainda tem um reserva. Logicamente estou falando de coisas que tenham relação direta ou indiretamente com dinheiro.

Agora me responda: por quanto tempo você conseguiria manter o seu padrão atual de vida se deixasse de receber o seu ganho mensal?

A sua resposta deve ter como base a sua Reserva de Emergência.

Por que ter uma Reserva de Emergência?

Você está tranquilamente satisfeito com a sua vida financeira, mas aí chega o dia em que um imprevisto acontece e você deixa de ter os seus ganhos por dois ou três meses. O que você fará para pagar suas despesas se não tem uma reserva?

Mesmo a pessoa mais equilibrada financeiramente pode ficar endividada caso aconteça o que citei no parágrafo anterior. Sem ter dinheiro guardado, qualquer pessoa, ao se deparar com o menor aperto financeiro, acaba correndo para os braços do crédito fácil. Mas, quem usa crédito, tem dívidas.

Quanto poupar?

Normalmente é recomendado 6 vezes o seu padrão de vida ou 6 vezes o valor de seu salário. Porém, esse valor é apenas sugestão, tendo em vista que cada um pode ter uma necessidade diferente.

Onde devo guardar o dinheiro?

Que fato aqui é mais importante do que ter o de ter o dinheiro literalmente na mão quando precisar? Nenhum, não é mesmo?!

O principal ponto a se levar em consideração é a liquidez (facilidade de um ativo se transformar em dinheiro). Por esse motivo devemos guardar nossa reserva em ativos com essa característica.

O investimento mais comum para tal fim e normalmente mais utilizado é o CDB com liquidez diária. Existem diversas opções de CDB’s que rendem 100% do CDI.

Outra opção bastante interessante é o Tesouro Selic, título do Tesouro Direto mais conservador e mais indicado para uma Reserva de Emergência.

Se você ainda acredita que não tenha o conhecimento suficiente para investir em um CDB ou no Tesouro Selic, confira esses dois artigos abaixo:

“Aprenda, de uma vez por todas, a investir no Tesouro Direto”

“Tesouro Direto, Poupança ou CDB: onde é mais seguro investir?”

Se, mesmo após ler esses dois artigos você ainda não estiver seguro, deixe sua Reserva de Emergência na Poupança. Apesar de não ser o investimento ideal, ela também apresenta liquidez diária e é uma opção de fácil manejo.

Conclusão

É muito claro que, durante a nossa vida, passamos por situações de alegria e bonança. Porém, passamos também por muitos momentos difíceis e que nos pegam de surpresa quando não estamos preparados.

Alguns fatores podem gerar essas fases de dificuldade pelas quais passamos, como a perda do emprego, um problema de saúde que nos impede de trabalhar, dentre tantas outras intempéries da vida.

Sabendo disso é que conseguimos entender de fato a importância de formar um Reserva de Emergência.

Agora não esqueça que fatos que ocorrem periodicamente ou que podem ser previsíveis não devem ser considerados no uso de sua reserva. Material escolar, conserto do carro, entre outros gastos parecidos, todos devem ser previstos em seu orçamento.