Renda Fixa vs Renda Variável: você sabe a diferença?

Tempo de leitura: 6 minutos

Uma das dúvidas mais comuns do investidor iniciante

Introdução

Em tempos como os de hoje, em que a taxa Selic não para de cair (atualmente em 6,75% ao ano), os investidores estão em busca de alternativas que ofereçam rentabilidades acima do que vêm sendo praticado atualmente. Neste sentido, uma das tarefas de quem está começando a investir é entender as principais diferenças entre os investimentos de renda fixa e os investimentos de renda variável. E esse é o nosso tema de hoje.

No decorrer deste artigo, serão respondidos os seguintes questionamentos:

  • O que é Renda Fixa?
    • Quais são os principais investimentos?
    • Quais são as modalidades de investimento?
    • Quais são os riscos envolvidos?
    • Tem algum tipo de proteção para o investidor?
    • Cuidado com a marcação a mercado
  • O que é Renda Variável?
    • Quais são os principais investimentos?
    • Quais são os riscos envolvidos?

Tenha uma ótima leitura!

O que é Renda Fixa?

Um investimento é considerado de renda fixa quando as condições de rentabilidade são conhecidas no momento da aplicação. Dessa forma, ao fazer uma aplicação em renda fixa, o investidor está ciente da forma que a remuneração do título adquirido será calculada.

Quais são as modalidades de investimento?

Os investimentos de renda fixa podem ser divididos em duas modalidades distintas: prefixados e pós-fixados.

Os prefixados são títulos em que o investidor já sabe a taxa de juros contratada no momento da aplicação e, consequentemente, o valor que será resgatado na data de vencimento. Se, por exemplo, a rentabilidade contratada do título foi de 10%, essa será a remuneração do título.

Já os títulos pós-fixados – que são maioria no mercado – são aqueles em que a rentabilidade é atrelada à variação de um determinado índice. O IPCA (índice oficial da inflação do Brasil), a taxa DI (que acompanha a Selic), ou mesmo a própria Selic (taxa básica de juros da economia), expresso em forma de taxa, são alguns dos principais índices.

Nessa modalidade não é possível saber o valor que será resgatado na data de vencimento, uma vez que os índices sofrem variações ao longo do período e podem ser maiores ou menores do que a taxa vigente no momento da aplicação. No dia que escrevo este artigo, por exemplo, a taxa DI está em 6,64% a.a., mas no início do mês estava cotada em 6,89% a.a.

Sendo assim, o título comprado irá acompanhar o índice a ele atrelado até a data de vencimento. Normalmente, a rentabilidade dos títulos com essas características é mostrada nas instituições financeiras dessa forma: 100% do CDI, 110% do CDI, IPCA + 5%, etc.

Quais são os principais investimentos?

Entre os investimentos de renda fixa disponíveis no mercado, os mais conhecidos são:

  • Caderneta de poupança;
  • Títulos públicos via Tesouro Direto;
  • CDB (Certificado de Depósito Bancário);
  • RDB (Recibo de Depósito Bancário);
  • LCI (Letra de Crédito Imobiliário);
  • LCA (Letra de Crédito do Agronegócio);
  • LC (Letra de Câmbio); e
  • Debêntures.

Quais são os riscos envolvidos?

Não existe investimento sem risco, sendo ele de renda fixa ou de renda variável. O que acontece é que alguns investimentos possuem mais risco do que outros. No caso da renda fixa, o principal risco do investidor é o emissor do título quebrar, chamado de risco de crédito.

Tem algum tipo de proteção para o investidor?

Como forma de proteção, investimentos como caderneta de poupança, CDB, RDB, LCI, LCA e LC estão cobertos pela garantia do FGC (Fundo Garantidor de Créditos) até o limite de 250.000 reais por CPF e por instituição financeira. O artigo  “FGC: o que é e como funciona” explica com mais detalhes como funciona a garantia do FGC em caso de falência, liquidação ou intervenção do banco emissor do título.

Cuidado com a marcação a mercado

Um ponto de muita atenção é o efeito da marcação a mercado nos títulos de renda fixa, que pode, inclusive, trazer prejuízos para o investidor. Ao vender um título de renda fixa antes da data de vencimento previamente acordada, o investidor poderá ter prejuízo caso o seu valor de mercado seja inferior ao adquirido no momento da compra. O contrário também é válido, e o investidor poderá lucrar em caso de venda antecipada, mas tudo depende de como o mercado estará no momento da venda.

O que é Renda Variável?

O que difere a renda fixa da renda variável são as condições de rentabilidade, uma vez que na renda variável não existe garantia de retorno do investimento, ou seja, as condições de rentabilidade não são previamente acordadas como na renda fixa. Dessa forma, ao comprar ação de uma empresa, por exemplo, o investidor poderá ter lucro, ficar no zero a zero ou mesmo ter prejuízo na operação. Tudo depende de como o preço das ações de uma determinada empresa irão se comportar ao longo do tempo.

Via de regra, quanto maior o risco, maior poderá ser o retorno sobre valor investido. Dessa forma, investimentos de renda variável podem oferecer ao investidor uma rentabilidade superior a investimentos de renda fixa, uma vez que o lucro da operação depende de uma série de fatores internos e externos.

Quer investir nas maiores empresas do Brasil e, de quebra, receber parte do lucro gerado por elas? Então entenda “O que são Dividendos”.

Quais são os principais investimentos?

Entre os investimentos de renda variável, os mais conhecidos são:

  • Ações;
  • Derivativos;
  • Fundos de investimento imobiliário (FII);
  • Fundos de ações;
  • Commodities (ouro, soja, café, etc.).

Quais são os riscos envolvidos?

Quando se fala de renda variável, o mercado mais acessado é o de ações. Por isso, neste tópico vamos falar especificamente deste mercado. Quem investe no mercado de ações espera um retorno superior ao investidor de renda fixa, uma vez que o risco que se corre é muito maior. É a lógica da tão falada relação risco x retorno: quanto maior o risco, maior poderá ser o retorno da aplicação.

No caso do mercado de ações, o preço de uma determinada ação sofre oscilações ao longo do tempo, causadas por fatores como situação financeira da empresa ou notícias sobre o setor em que ela atua, por exemplo. De um dia para outro, o valor investido pode ter uma grande variação positiva, mas também pode sofrer grandes perdas. O investidor precisa ter muito estômago para aguentar as constantes mudanças no valor do patrimônio alocado em renda variável.

Espero que esse artigo tenha ajudado a entender as principais diferenças entre a renda fixa e a renda variável. Ficou com alguma dúvida? Quer sugerir algum tema para gente falar aqui no blog? Comente aqui embaixo que a gente responde o mais rápido possível!

Você vai gostar também deste artigo: “10 Termos do Mercado Financeiro que todo investidor iniciante deve conhecer”.